Logo Hortas Biológicas

Porque é importante fazer uma análise ao solo da sua horta?

Análise ao solo

É necessário esforço e dedicação para cuidarmos bem da nossa horta. No entanto, apesar de todo o tempo, esforço e dedicação, nem sempre conseguimos resultados satisfatórios. É muito frequente culparmos o clima, as pragas ou até a nós mesmos. Mas já pensou que a culpa também pode ser atribuída ao solo da sua horta? Alguma vez mandou fazer uma análise ao solo da sua horta para saber que tipo de solo tem?

Na agricultura biológica profissional a análise ao solo é um assunto levado muito a sério. Contudo, na agricultura biológica amadora, muitas vezes é negligenciado. Mandar fazer uma análise ao solo da sua horta talvez nunca lhe tenha passado pela cabeça. Afinal, é apenas um pedaço de terreno ou um quintal e não justifica o custo de mandar fazer uma análise ao solo. Além disso, podemos pensar que o estrume corrige tudo.

Desde já, podemos esclarecer que uma análise ao solo é barata. Se vai começar uma horta num terreno que esteve muito tempo abandonado, que fique perto de zonas com muito movimento rodoviário ou zonas industriais, é imperativo fazer uma análise ao solo. Nestes casos, é aconselhável que faça também análise a metais pesados. As análises a metais pesados são um pouco mais caras, mas vão dar-lhe garantias de que o que vai colher para consumo não está contaminado com elementos prejudiciais à sua saúde.

Vale bem a pena fazer uma análise ao solo da sua horta por todos os benefícios que traz. Vamos informação exata sobre a quantidade de nutrientes extraíveis e também sobre o tipo de textura, estrutura, valor de pH e quantidade de matéria orgânica que o solo da nossa horta tem.

As indicações que fornecemos neste artigo, são sempre focadas em cultivo biológico em pequena escala como o que é praticado em hortas caseiras, urbanas, comunitárias etc. Não falaremos das culturas intensivas, arbustivas ou arbóreas.

Mais adiante, também abordamos a análise à água de rega

Época da colheita das amostras de solo

A colheita de amostras para uma análise ao solo pode ser feita em qualquer altura do ano. No entanto, é sensato fazer sempre antes algum tempo andes de plantar ou semear as culturas. Isso vai dar-lhe tempo intervir e corrigir algum aspeto negativo revelado pela análise.

Materiais necessários

Para fazer a recolha das amostras para uma análise ao solo vai precisar de uma pá ou uma enxada e um balde de plástico. Se porventura tiver uma sonda, melhor. Marcador (preferência de tinta permanente), sacos de plástico, etiquetas e fio de atar se os sacos não tiverem fecho hermético. Importante: todo o material que contacta com a terra recolhida para amostra deve estar bem limpo para não falsear os resultados.

Colheita de amostras de solo

De modo geral, as hortas que referimos acima são planas, com pouca inclinação e pequenas dimensões.  Se a sua horta não apresentar diferenças em relação à textura do solo, cor e humidade, declives e não tenha sido adubado ou corrigido de modos diferentes, não há necessidade de ser dividido. Basta fazer recolhas em várias zonas diferentes de modo que represente a horta de modo homogéneo.

No entanto, se o seu espaço tiver declives deve recolher amostras separadas para cada declive e não as misturar. Se a sua horta for de dimensões mais generosas (por exemplo 0,5ha) a colheita das amostras para análise deve ser feita em ziguezague, a fim de que a amostra final seja o mais representativa possível do terreno.

Importante: não se devem colher amostras de terra junto de caminhos, em terrenos adubados ou corrigidos há pouco tempo, junto de restos de fogueiras, de terrenos encharcados, de estábulos ou sítios onde esteve estrume depositado ou formigueiros.

Como fazer a recolha das amostras de solo

Análise ao solo
Análise ao solo
Análise ao solo
Análise ao solo

Raspe a camada superficial da zona do terreno onde vai recolher a subamostra. Tem de estar livre de infestantes, detritos ou pedras.

Abra uma pequena cova com uma profundidade de 20 cm e retire uma fatia de terra a toda a altura e com uma espessura de 2 a 3 cm. Coloque a subamostra dentro do balde de plástico.

Depois de ter todas as subamostras no balde de plástico, despeje em cima de um plástico, misture bem e retire todas as impurezas (pedras, sementes, ervas, etc.).

Quando estiver totalmente isenta de impurezas, recolha 500 gramas de terra para o saco plástico e feche bem o saco. Essa será a amostra final representativa de todo o terreno.

Coloque uma etiqueta identificativa no saco. Pode por uma por fora e outra dentro do saco. Na etiqueta de constar: o seu nome, o seu endereço, a data da colheita, a profundidade e se desejar fazer uma cultura especifica, deve também indicar esse pormenor. Envie a amostra para um laboratório especializado para fazer uma análise sumária química e física. Pode pedir outro tipo de análise. Algumas cooperativas agricultas aceitas as amostras e enviam para laboratórios. Dependendo do laboratório, os preços podem ir dos 10 ao 70€ em média. Em geral, os resultados estão prontos em menos de uma semana. Exemplos de laboratórios certificados: UTAD, ESA.

Como ler os resultados do relatório da análise ao solo

Não é preciso chamar um técnico para ler os resultados contidos no relatório da análise ao solo . É um pouco parecido com os resultados das análises sanguíneas. Geralmente o relatório de uma análise ao solo descrevem todos os pormenores: textura do solo, pH, matéria orgânica, quantidade dos principais macronutrientes e recomendações para correção ou fertilização caso seja necessário.

No entanto, se porventura tiver alguma dificuldade na interpretação dos resultados do relatório da análise ao solo, deixamos aqui alguns quadros que podem ajudar.

Percentagem de matéria orgânica

Solo grosseiro e ligeiroSolo médio e pesadoNível de M.O.
≤ 0,5≤ 1,0Muito Baixo
0,6 a 1,51,1 a 2,0Baixo
1,6 a 5,02,1 a 7,0Médio
5,1 a 10,07,1 a 15,0Alto
> 10,0> 15,0Muito alto

Percentagem de calcário

Teor de calcário no soloClassificação do solo
≤ 2,0Não calcário
2,1 a 5,0Pouco calcário
5,1 a 10,0Medianamente calcário
10,1 a 25,0Calcário
25,1 a 45,0Muito calcário
> 45,0Fortemente calcário

Teores de fósforo e potássio assimiláveis

Teores em mg/1000 de soloClassificação do solo
≤ 25Muito baixo
26 a 50Baixo
51 a 100Médio
101 a 200Alto
> 200Muito alto

Reação do solo ao pH

pHDesignaçãoClassificação
≤ 4,5
4,6 a 5,5
5,5 a 6,5
Muito ácido
Ácido
Pouco ácido

Ácido
6,6 a 7,5NeutroNeutro
7,6 a 8,5
8,6 a 9,5
> 9,5
Pouco alcalino
Alcalino
Muito alcalino

Alcalino

Textura

DesignaçãoTipos de textura
Solos levesArenosa
Franco-arenosa
Solos médiosFranca
Franco-limosa
Solos pesadosFranco-limosa
Argilo-arenosa
Argilo-limosa
Argilosa

Colheita de amostras de água

A qualidade da água que usamos para a rega é tão importante como a qualidade do solo. Raramente damos a devida atenção a este detalhe. Atribuímos muitas vezes os maus resultados das culturas às doenças e pragas. Contudo, em alguns casos, as causas dos maus resultados pode estar qualidade da água de rega. Assim como fazemos analise ao solo, devemos fazer análise à água.

Como colher amostras

No caso de águas provenientes de poços ou furos, a amostra não deve ser colhida logo no início da bombagem. Deixe passa uns minutos.

A água deve ser guardada em recipientes de vidro ou de plástico, bem limpos, lavados ou enxaguados com água de que se deseja colher a amostra.

Encha o recipiente bem cheio (1,5 litros é suficiente), se possível sem bolhas de ar, e tape com a tampa previamente lavada ou enxaguada também com água de que se deseja colher a amostra.

Se pretender conhecer o teor de nitratos e não conseguir entregar a amostra no laboratório durante o período de três horas que se segue à colheita, a amostra devera ser guardada em no frigorifico até à sua entrega no laboratório.

Os tipos de análise mais comuns são:

Analise geral – Conjunto formado por bicarbonatos, boro, cálcio, cloretos, condutividade elétrica, carbonatos, magnésio, nitratos, pH, sódio e razão de adsorção de sódio.

Analise para rega gota a gota – inclui a análise geral + ferro + manganês + sólidos em suspensão + índice de saturação + sulfatos.

Partilhe este artigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

NEWSLETTER

Subscreva a nossa newsletter e receba gratuitamente as novidades na sua caixa do correio