Logo Hortas Biológicas

Como cultivar Absinto na horta

Como cultivar Absinto-Artemisia-absinthium

O absinto (Artemisia absinthium) é uma planta aromática e medicinal da família Asteraceae. Tem origem na Europa Central e Meridional e é conhecida pelas suas propriedades únicas. Nos tempos antigos, os Celtas e os Romanos consideravam que ela era capaz de curar quase tudo. Mas, além destes benefícios terapêuticos, o absinto também o seu lugar na horta. Veja como cultivar absinto e como pode usa-lo em benefício das sua horta.

Nomes vulgares: Flor-de-diana, gotas-amargas, erva-dos-vermes, erva-dos-velhos, sintro, erva-de-santa-margarida, erva-de-absinto, roselha-maior, citronela-maior, absinto-amargoso, acintro, rainha-da-ervas, losna, losna-maior, losma, acinto, acintro, ajenjo, artemisia, grande-absinto, erva-santa, alvina, aluina-fel (no Brasil).

Em Portugal é frequente encontrar o absinto na região norte em zonas predominantemente rurais. Contudo, pode ser encontrada também um pouco por todo o país embora com menos frequência. Cresce espontaneamente em terrenos incultos e áridos e pode manter-se no mesmo local cerca de 20 anos.

Quando adulta, pode atingir entre 80 a 120 cm. É amarga em todos os seus órgãos, devido a presença de um óleo essencial, o absintol. De raiz vivaz, caules lenhosos na base da planta e muito ramificados. No resto da planta, são herbáceos, canelados e ásperos. As folhas são moles, muito recortadas e dum tom verde prateado. As sementes são muito pequenas, acinzentadas, com uma capacidade germinativa que dura 4 anos. A floração aparece entre junho e setembro.

Partes utilizadas

Toda a planta. As folhas são usadas em infusões e como condimento, as flores e sementes são usadas como aromatizante de bebidas.

Como cultivar Absinto

O absinto não é muito exigente na qualidade dos solos, mas prefere solos argilosos, arenosos, bem drenados, ricos e profundos.

Embora a multiplicação possa ser feita por divisão dos pés, o método mais usado é por sementeira que é feita na Primavera e de preferência em viveiro. Nesta fase, são bastante sensíveis ao frio. As plantas vão crescer lentamente. Quando atingirem os 15 cm, o que acontece em geral cerca de três a quatro meses depois, transplantam-se para o local definitivo, em terreno previamente preparado e estrumado e com boa exposição solar. Também pode ser cultivada em vaso.

Não gosta de muita água. Regar 1 a 2 vezes por semana, de forma moderada sem encharcar o solo. Não tolera solos alagados. Depois de bem estabelecida e na fase adulta, resiste a períodos de seca e a geadas. Deve ser fertilizada com matéria orgânica uma vez por ano no Outono.

Como cultivar Absinto Artemisia absinthium flor
Planta em flor

A poda não é obrigatória. Mas, se que quiser mante-la sob controle, é recomendável que no início da Primavera, dependendo do tamanho da planta, corte 5 a 10 cm das pontas dos ramos.

Consociação: Nenhuma hortícola gosta da companhia do absinto, devido a toxicidade de suas folhas e excreções da raiz. Pode ser companheira de outras aromáticas como a lavanda e a hortelã-pimenta.

Doenças: O absinto é uma planta resistentes que geralmente não é afetada por pragas e doenças; basta ter cuidado com a rega excessiva.

Benefícios na horta

O facto de ser uma planta com cheiro um cheiro amargo e intenso, serve como repelente para várias pragas da horta. Contem substâncias que têm efeito inseticida ou repelente.
Repelem: Lesmas, caracóis, moscas-do-repolho, afídeos, traças, lagartas e nematoides.

Calda de Absinto
Ingredientes: 100g de folhas frescas ou 10g de folhas secas de absinto; 1L de água
Preparação: ferver as folhas na água e deixar em repouso durante 24 Horas. Coar o líquido.
Modo de aplicar: borrifar as plantas afetadas 3 vezes por semana.

Apesar de não ser boa companhia para as hortícolas, o absinto tem o seu lugar na horta. O local ideal para ter a planta é nas bordaduras da horta ou afastada das zonas de cultivo das hortícolas.

Usos culinários

Toda a planta e extremamente aromática, empregando-se as suas folhas, algumas vezes, como condimento e para preparar infusões. O seu principal uso, contudo, e a preparação de licores, em especial o conhecido Absinto; entra também, na preparação do Vermute.

Uso terapêutico

As propriedades medicinais da planta são muito diversificadas aconselhando-se nas febres, picadas, doenças de pele, menstruações dolorosas, falta de apetite e ainda como anticético, vermífugo, tónico e digestivo.

Cuidados

O consumo em excesso da bebida Absinto (conhecido como Fada Verde) é fortemente desencorajado. Pode provocar dores abdominais e perturbações psíquicas.
O uso do chá de absinto também deve ser moderado. As doses excessivas provocam espasmos e lesões renais, pelo que se tem de respeitar cuidadosamente as indicações de uso.

Partilhe este artigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

NEWSLETTER

Subscreva a nossa newsletter e receba gratuitamente as novidades na sua caixa do correio