Solarização do solo

Solarização do solo

A solarização do solo é um método de desinfeção barato, ecológico e eficaz para o combate de uma variada gama de infestantes, doenças e pragas das plantas.

Esta prática começou a ser desenvolvida em Israel nos anos 70 e rapidamente outros países também ensaiaram e aplicaram este método. Os primeiros ensaios em Portugal começaram nos anos 90 e os estudos desenvolvidos revelaram resultados muito promissores, demonstrando uma influência positiva sobre a fertilidade dos solos.

Embora seja um processo já muito usado em produção integrada e agricultura biológica, pode também ser usado de modo eficaz no cultivo em pequenas hortas.

Vejamos então como pode fazer a solarização do solo na sua horta.

Quando fazer a solarização do solo

Visto que a solarização do solo baseia-se no aproveitamento da energia solar, obviamente que deve ser feita nos meses de maior calor. Em Portugal, o ideal seria entre julho e setembro pois são os meses com radiação solar mais intensa.

Também é importante ter em conta que a sua horta pode não precisar de solarização. Se o solo é produtivo e não tem problemas sérios com infestantes, fungos ou pragas, talvez por enquanto não precise de fazer solarização do solo.

No entanto, se o terreno que quer cultivar esteve muito tempo abandonado, se está repleto de infestantes ou tem problemas de produtividade e de pragas, então a solarização do solo é uma boa opção a considerar.

Como fazer a solarização do solo

  • A área que pretende solarizar, deve ser limpa de plantas e detritos. Isso inclui limpar os restos de culturas anteriores.
  • Faça uma mobilização do solo cavando cerca de 20 a 30 cm de profundidade. Este processo é importante para uma melhor absorção da água.
  • Deixe o solo o mais plano possível para evitar a formação de bolsas de ar entre a superfície do solo e o plástico.
  • Rege abundantemente toda a área que quer solarizar. O solo deve ficar bem encharcado.
  • Logo de seguida, cubra o solo com um plástico transparente (não use plástico branco ou preto; eles não permitem uma boa infiltração da radiação solar). Estique muito bem o plástico para não ficar com dobras que poderiam dar origem a bolsas de ar. Quanto mais “colado” o plástico estiver ao solo, menos bolsas de ar poderão surgir permitindo assim uma maior retenção do calor. De preferência, esta parte deve ser feita num dia de temperaturas elevadas.
  • Para criar uma boa selagem, deve prender o plástico nos extremos, enterrando-o em pequenas valas de modo que fique bem esticado.
  • Deixe em repouso por 4 a 6 semanas.
  • Depois desse período, o solo não precisa de repouso. Pode logo de seguida plantar novas culturas.
solarizacao

Rega adicional

Em solos normais, a cobertura de plástico vai manter a humidade necessária no solo durante todo o período de solarização. A humidade constante é essencial para que seja produzido vapor todos os dias. O vapor é necessário para matar nematóides, sementes de infestantes e ovos de insetos no solo.

Contudo, em solos mais arenosos com uma textura mais ligeira, a capacidade de retenção de água é mais fraca e pode ser necessário instalar um sistema de rega gota-a-gota por baixo do plástico. Desse modo, poderá efetuar regas adicionais se necessário.

Para saber se é necessário voltar a regar, deve observar o plástico pela manhã. Normalmente, gotas de água aparecem na parte inferior do plástico bem cedo todas as manhãs e desaparecem ao meio do dia. Se notar que a quantidade de gotas na parte inferior do plástico vai diminuindo de dia para dia, é hora de ligar a irrigação e repor a água do solo.

Como funciona a solarização do solo

A radiação solar vai aquecer a água presente no solo. Como a condensação não tem por onde sair, o solo vai reter o calor e atingir temperaturas capazes de matar bactérias, fungos, insetos, nematóides, ácaros, ervas infestantes e sementes de ervas infestantes. Além disso, também estimula a libertação de vários nutrientes presentes no solo.

A solarização do solo tem efeitos secundários?

Alguns argumentam que assim como a solarização do solo elimina os organismos prejudiciais, também vai prejudicar os organismos que são essenciais para as culturas. No entanto, estudos científicos feitos em Portugal e em outros países sobre o assunto, não confirmam esse ponto de vista.

A título de exemplo, um estudo sobre a influência da solarização do solo sobre bactérias responsáveis pela fixação livre do azoto em condições aeróbias (Azotobacter spp.) e em condições anaeróbias (Clostridium pasteurianum) mostra que “…relativamente à Azotobacter spp. houve um decréscimo após a solarização, mas passados dois meses os níveis populacionais eram muito superiores (30% mais elevados) aos verificados no solo não solarizado. Quanto a C. Pasteurianum, após um elevado aumento das populações no solo solarizado (45% mais elevado do que no solo não solarizado), decorridos dois meses, os níveis populacionais eram semelhantes em ambos os solos… Efeitos semelhantes foram verificados relativamente a outras bactérias, as responsáveis pela fixação simbiótica do azoto, Rhizobium spp.” (CÉSAR, 1992; PINTO & CÉSAR, 1999).

Conclusão

A solarização do solo é um meio de luta eficaz e não deixa um vazio biológico. Apresenta um efeito protetor face a numerosos inimigos das culturas e que não acaba logo após o período posterior à solarização. É seguro para si e para o ambiente.

Partilhe este artigo

Quiz Hortas Biológicas

20 perguntas para avaliar os seus conhecimentos sobre horticultura biológica

Mais Recentes
Quiz Hortas Biológicas

20 perguntas para avaliar os seus conhecimentos sobre horticultura biológica

newsletter

Preencha os campos abaixo para se inscrever na nossa newsletter

Mais Populares
categorias