Como cultivar corretamente favas na sua horta

Cultivar Favas

A fava (Vicia faba) é mais um dos legumes que é cultivado desde os tempos pré-históricos. Pertence à família das leguminosas, como a ervilha ou o feijão. Embora com algumas dúvidas, admite-se que as favas tenham tido origem no Sudoeste asiático, mais precisamente na região Sul do mar Cáspio, onde foram encontradas na sua forma silvestre, e, donde teriam sido transportadas para o sul da Europa e Norte de Africa em época anterior a 3000 AC (Candolle A. De, 1884). Pela Europa foi espalhada pelos Pelágios, Celtas, Eslavos, etc. nas suas primeiras migrações. Nikolai Vavilov, (conhecido por ter identificado os centros de diversidade de plantas cultivadas) considera ainda um centro de origem secundário localizado na Etiópia.

De qualquer modo, sabe-se que foram cultivadas no Egipto antigo onde em algumas regiões eram consideradas pelos sacerdotes como um alimento impuro, “impossível de suportar pela vista”, segundo relata o historiador grego Heródoto. A Bíblia indica que os hebreus também as cultivavam. Do mesmo modo, os gregos e os romanos que as consideravam como uma planta de excecional qualidade. Hoje, as favas encontram-se difundidas por todos os continentes.

Ao contrário de outros tipos de leguminosas, as favas têm um sabor peculiar; nem todos gostam delas. Contudo, quando são cozinhadas imediatamente apos serem colhidas, as favas cultivadas na horta têm um sabor que nada tem a ver com o das compradas na loja ou congeladas, pelo que, se não gostou das que provou no passado, vale a pena cultivar algumas e experimentar come-las outra vez – poderá ficar agradavelmente surpreendido.

Tradicionalmente, existiam duas variedades de favas: as favas “compridas”, que tinham oito favas por vagem, e as “Windsor”, que tinham apenas quatro. Ainda é possível encontrar estas variedades, mas a maioria dos cultivares modernos e criada para estar entre os dois, produzindo plantas mais pequenas com mais favas tenras. As variedades anãs também estão disponíveis, e são ideais para cultivar em recipientes.

As variedades ‘Aquadulce’ e ‘Algarvia’ continuam a ser as mais cultivadas em Portugal. A primeira, de origem espanhola e, hoje em dia com diferentes variantes de vagem muito comprida, chegando a atingir 30 cm, e contendo 6 a 9 grãos. A ‘Algarvia’ é uma antiga variedade portuguesa, muito temporã, de vagem larga e curta e semente igualmente larga, adaptada ás condições de cultura no sul do país.

Outras variedades que se podem utilizar são, por exemplo, a ‘Muchamiel’, de origem espanhola e adaptada a todo o litoral mediterrânico, ‘Windsor’ ligeiramente serôdia, robusta e produtiva, apropriada para regiões mais frescas, a ‘De Marais’ variedade francesa muito precoce etc.

As favas também podem ser classificadas pela cor das sementes, que podem ir do verde-claro e do branco ate ao vermelho-mogno; as sementes verdes são melhores para congelar. Também são classificadas entre anãs ou gigantes, sendo as primeiras mais adequadas para as hortas pequenas. Finalmente, podem subdividir-se nas que aguentam bem o Inverno e as que devem ser semeadas só na Primavera; isto corresponde, geralmente, a distensão entre as de vagem comprida e as Windsor, sendo que as de vagem comprida tendem a ser mais resistentes.

Cores de Favas

Outra particularidade das favas é que elas têm a capacidade de melhorar as propriedades do solo onde se desenvolvem. Conseguem fixar no solo o nitrogénio (azoto) atmosférico através da bactéria Rhizobium leguminosarum e fica lá para as culturas seguintes. Por isso, no fim do ciclo produtivo da planta, em vez de a arrancar completamente, pode cortá-la pela base e deixar que a raiz se integre na terra. Pode também enterrar toda a planta depois de colher as vagens.

Onde cultivar favas

A faveira é uma planta bem-adaptada aos dias curtos, bastante rústica quanto a clima, preferindo, no entanto, zonas temperadas e frescas. Com paragem de crescimento aos 6-8ºC, a temperatura ótima de desenvolvimento situa-se entre os 18 a 22ºC, com humidade relativa de 65 a 75%. Resiste a temperaturas de 3-4ºC negativos, recuperando logo que cessem essas temperaturas. No entanto, as flores que eventualmente existiam não sobrevivem, formando de seguida nova floração.

As favas adaptam-se a quase todos os tipos de solo, mas preferem os de textura franca a franca-arenosa, com boa drenagem, ricos em matéria orgânica, com pH entre 5,0 e 8,0 e protegido dos ventos fortes, em especial se estiver a cultivar variedades de inverno. Têm alguma tolerância à salinidade.

As favas são boas companheiras de: Alface, batata, beterraba, cenoura, couve, espinafre, morango, nabo, pepino, rabanete e tomate. Não é boa companhia para: Batata, cebola, ervilha e feijão.

Sementeira

No nosso país, a cultura das favas é por normalmente feita em outubro-novembro (variedades de inverno). Em regiões muito chuvosas, a sementeira pode estender-se aos meses de dezembro e janeiro. Se gosta de plantar ou semear pelas fases da Lua, as favas semeiam-se no Quarto Crescente. A uma temperatura entre os 12 a 20ºC, da sementeira à germinação decorrem 8 a 12 dias. Acima dos 20ºC, as sementes dificilmente germinam. A germinação pode ser acelerada demolhando as sementes em água durante 24 horas. Devem ser enterradas a uma profundidade de 4 a 6 cm no local definitivo com um compasso de 15 a 30 cm.  

Podem também ser semeadas em tabuleiros de alvéolos grandes ou em vasos pequenos, transplantando-se para o local definitivo quando as plantas apresentarem três ou quatro folhas verdadeiras. Se optar por esta alternativa, a sementeira faz -se 2 a 3 meses antes da transplantação, a qual deve acontecer na época indicada para a sementeira direta.

Cuidados

A faveira é uma cultura que requer cuidados culturais muito simples. Nas fases iniciais, resumem-se à rega e a uma ou duas sachas ligeiras. O combate ás infestantes pode ser feito através de mobilizações, de sachas ou de outras formas de monda. O empalhamento também ajuda a limitar o crescimento de outras plantas que competem pelos mesmos nutrientes. As variedades mais altas vão precisar que lhes crie um suporte com pequenas estacas e duas ou três voltas de fio.

Favas amarradas

Assim que as primeiras flores começarem a ter vagens, pode cortar-se a ponta do caule onde estão as folhas mais jovens (desponta). Deste modo contribui-se para um melhor crescimento das vagens, alem de se prevenir o ataque do piolho preto, que normalmente começa pelas partes mais novas das plantas.

Pragas e Doenças

Veja este artigo.

Rega

As favas são pouco exigentes em regas, no entanto, a humidade excessiva prejudica fortemente a cultura não só porque compromete o bom estado fitossanitário, mas também porque afeta a atividade microbiana responsável pela fixação de azoto.

O período crítico de défice hídrico é a fase de germinação, floração e fase de enchimento das vagens. A falta de água nestes períodos pode comprometer o processo germinativo, induzir uma percentagem significativa de abortos florais, reduzir o número de vagens formadas, além de reduzir o comprimento das mesmas e as sementes serem mais pequenas.

Colheita

A colheita deve ser efetuada na época própria de cada variedade devido à influência que pode exercer na qualidade e poder de conservação dos produtos de colheita. As vagens devem estar inteiras, sãs, com especto fresco, sem humidade exterior, sem cheiros estranhos.

Consoante as variedades, a colheita das vagens é manual e efetua-se 70 a 150 dias após a sementeira, à medida que vão atingindo o desenvolvimento adequado. O período de colheita pode estender-se por 4 a 5 semanas. Colha primeiro as favas de baixo, que estão mais perto do caule central; isto ira estimular as vagens restantes a continuarem a crescer. As favas estão no seu melhor quando a membrana pela qual estão ligadas
ao interior da vagem ainda esta branca ou verde, e não castanha ou preta.

Não deixe que fiquem demasiado duras pois vão ficar demasiado rijas e farinhentas. Se pretender consumir as próprias vagens, então colha-as numa fase inicial do seu crescimento, enquanto as sementes ainda estão pouco desenvolvidas. Se as quiser guardar para semente, tem de as deixar concluir o processo de maturação até estarem bem secas.

Valor nutricional

As favas são altamente nutritivas. Ricas, hidratos de carbono, proteínas e sais minerais como o potássio, fósforo, ferro e magnésio. Também é rica em vitaminas A, B1, B2 e C. é um alimento com um papel importante na recuperarão de estados físicos debilitados, de convalescença, combate de doenças infeciosas, anemias e gravidez.

Sendo as favas a segunda leguminosa mais rica em fibras, o consumo das quantidades recomendadas tem um efeito positivo na redução de colesterol, na regulação do apetite e do trânsito intestinal.

O consumo excessivo de favas pode dar origem ao favismo que é uma doença enzimática caracterizada por anemia hemolítica e outras perturbações.

Partilhe este artigo

Mais Recentes
Quiz Hortas Biológicas

20 perguntas para avaliar os seus conhecimentos sobre horticultura biológica

Newsletter

Preencha os campos abaixo para se inscrever na nossa newsletter

Em Destaque