Logo Hortas Biológicas

Como fazer um Compostor

Se quer começar a fazer compostagem doméstica não tem necessariamente de comprar um compostor. Veja como pode construir o seu.
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Se quer começar a fazer compostagem doméstica não tem necessariamente de ter um compostor. Basta que tenha no quintal um espaço onde possa amontoar o material a compostar, dando-lhe a forma de uma pilha/pirâmide, com aproximadamente 2m de diâmetro na base e pelo menos 1m de altura. 

Pilhas com menores dimensões não são eficientes pois permitem que haja aquecimento do material para que o processo de decomposição ocorra de forma adequada.

Outra maneira de decompor os resíduos orgânicos, sem adquirir um compostor é abrir um buraco na terra com cerca de 60 cm de diâmetro e 35 cm de profundidade. Coloque no buraco esses resíduos, cobrindo-os de seguida com uma camada de terra ou folhas secas. 

Contudo, se mora num ambiente urbano onde o espaço disponível para a compostagem é muito reduzido, a utilização de um compostor apresenta muitas vantagens tanto a nível de estética como a nível prático, além de que pode ajudar a reter o calor produzido ao longo do processo. 

Pode-se construir um compostor usando alguns materiais a um preço bastante acessível.

Compostores Comerciais

Atualmente existe uma grande variedade de escolha que pode ser encontrada em algumas lojas, centros de jardinagem ou até mesmo pela internet.
Podem ser feitos em madeira, plástico e metal de maior ou menor capacidade consoante o uso que se pretende dar. 

Um compostor deve apresentar muitos espaços para a recirculação do ar, tem de ter na base orifícios com dimensões apropriadas para impedir a entrada de roedores, mas que permita a entrada de decompositores (minhocas, microrganismos, etc.) e absorção das escorrências e uma tampa para proteger o material a decompor do excesso de vento, sol e chuva. 
Alguns modelos mais avançados manómotro de controle de teperatura bem como válvula regula a entrada de ar.
Deve escolher um compostor que permita oxigenar suficientemente os detritos, para que não se produza odores fortes e elevada libertação de gases (metano) durante a decomposição do resíduo biodegradável.

Além disso, ao escolher um compostor deve ter em atenção a capacidade adequada à sua produção de resíduos, a durabilidade, a garantia e o custo.

Partilhe este artigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Newsletter
Mais Recentes
Categorias

Ervas Aromáticas

LER