Logo Hortas Biológicas

Provérbios Agrícolas Portugueses

Provérbios Agrícolas Portugueses
Existem mais de 10.000 provérbios na Cultura Portuguesa. Selecionamos alguns dos Provérbios Agrícolas Portugueses mais interessantes.
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Existem mais de 10.000 provérbios ou ditados populares na Cultura Portuguesa. Isso é bom sinal. Significa que ao longo de gerações, soubemos preservar o que já foi descrito como “a sagacidade de um e a sabedoria de muitos, “a voz da experiência e os evangelhos da arte de viver no mundo” e “a sabedoria de um Povo.” Para muitos, os provérbios agrícolas são a forma mais eficaz de transmissão do conhecimento. Selecionamos alguns dos Provérbios Agrícolas Portugueses mais interessantes. Disfrute.

Provérbios Agrícolas Mês a Mês

Provérbios Agrícolas – Janeiro

– Janeiro geadeiro, nem boa meda nem bom palheiro.
– Janeiro greleiro não enche o celeiro.
– Janeiro mijão não dá palha nem pão.
– Janeiro molhado, se não cria pão, cria gado.
– Quem azeite colhe antes de janeiro, azeite deixa no madeiro.
– Se queres ser bom ervilheiro, semeia no crescente de janeiro.
– Trigo de janeiro engorda o carneiro.
– Trovoada em janeiro, nem bom prado, nem bom palheiro.

Provérbios Agrícolas – Fevereiro

– Chuva de fevereiro vale um estrumeiro.
– Em fevereiro chuva, em agosto uva.
– Não chovendo em fevereiro, não há bom prado nem bom colmeiro.
– Neve de fevereiro presságio de mau celeiro.
– Neve que em fevereiro cai das serras, poupa um carro de estrume às vossas terras.
– Quando não chove em fevereiro, não há bom prado nem bom palheiro.
– Quando não chove em fevereiro, nem bom prado, nem bom centeio.

Provérbios Agrícolas – Março

– Em março, espetam-se as rocas e sacham-se as hortas.
– Março chuvento ano lagarento.
– Março chuvoso, São João farinhoso.
– Poda em março, vindima no regaço.
– Secura de março, ano de vinho.
– Trovoada em março, semeia de alto a baixo.
– Vento de março e chuva de abril fazem o maio florir.
– Inverno de março e seca de abril deixam o lavrador a pedir.
– Em Março, ouga a erva com o sargaço.
– Em Março, ouga a noite com o dia, e o pão com o sargaço.
– Em Março, as noites com os dias, e os centeios com os matos.

Provérbios Agrícolas – Abril

– Abril frio, traz pão e vinho.
– Em abril sacha e semeia que o céu te abençoa e te remedeia.
– Em abril, a natureza ri.
– Abril, frio e molhado, enche o celeiro e farta o gado.
– Águas de abril são molhos de milho.
– Em abril, pelos favais vereis o mais.
– Quem em abril não varre a eira e em maio não sacha a leira, anda todo o ano em canseira.
– Vinha que rebenta em abril dá pouco vinho para o barril.
– Vinho que rebenta em abril não rebenta barril.
– Luar de Abril come os renovos aos mil.

Provérbios Agrícolas – Maio

– A boa cepa, maio a deita.
– Água de Maio, pão para todo o ano.
– Em maio verás a água com que regarás.
– Maio frio e junho quente: bom pão, vinho valente.
– Quando em maio não troa, não é ano de broa.
– Quando maio chegar, quem não arou tem que arar.
– Maio frio, junho quente, torna o lavrador valente.
– A erva, maio a dá, maio a leva.

Provérbios Agrícolas – Junho

– A chuva de São João tolhe a vinha e não dá pão.
– Até ao São Pedro tem o vinho medo.
– Em junho foice em punho.
– Feno alto ou baixo, em junho é cegado.
– Junho floreiro paraíso verdadeiro.
– Nevoeiro no São João estraga o vinho e não dá pão.
– No dia de São Pedro, vai ver o teu olivedo, e se vires um bago, conta um cento.
– No mês de São João, para estar bem há-de cobrir o milho o rabo do cão.

Provérbios Agrícolas – Julho

– Em julho, reina o gorgulho.
– Dia de São Tiago, pinta o bago.
– No dia de São Tiago, vai à vinha e prova o bago.
– Pelo São Tiago na vinha acharás bago; se não for maduro será inchado.
– O castanheiro quer em julho ferver e em agosto beber.
– Pelo São Tiago cada gota de água vale um cruzado.
– Malha pelo São Tiago é de agrado, mas a de agosto já não dá gosto.
– Nevoeiro de São Pedro põe em julho o vinho a medo.
– Por Santa Ana, limpa a pragana.

Provérbios Agrícolas – Agosto

– Água de Agosto, açafrão, mel e mosto.
– Cava e esterco em agosto, lavrador alegra o rosto.
– Chuva de Agosto apressa o mosto.
– Chuva fina por Santo Agostinho é como se chovesse vinho.
– Em agosto deve o milho ferver no caroço e a castanha no ouriço.
– Em agosto, toda a fruta tem seu gosto.
– Em agosto, vale mais vinagre que mosto.
– Não é bom o mosto colhido em agosto.
– Quando chover em agosto, não compres mosto.
– Os nabos querem ver o luar de agosto.
– Se não debulhas em agosto, terás sempre desgosto.

Provérbios Agrícolas – Setembro

– Dia de São Mateus começam as enxertias.
– Dia de São Mateus vindimam os sisudos e semeiam os sandeus.
– Em setembro, planta, colhe e cava, que é mês para tudo.
– Em Setembro planta, colhe, cava e ri, que os santos e São Miguel velam por ti.
– No pó semeia, que setembro to pagará.
– Para vindimar, deixa setembro acabar.
– Pelo São Mateus pega nos bois e lavra com Deus.
– Setembro molhado, figo estragado.
– Quem planta no São Miguel, vai à horta quando quer.
– Por São Vicente alça a mão da semente.
– Em Setembro, ramo curto, vindima longa.

Provérbios Agrícolas – Outubro

– Com a vinha em outubro, come a cabra, engorda o boi e ganha o dono.
– Em outubro não fies lã; recolhe o teu milho e o teu feijão, senão de Inverno tens a tua barriga em vão.
– Em outubro sê prudente, guarda pão, guarda semente.
– Em outubro, pelo S. Simão, favas no chão.
– No S. Simão, fava na mão.
– Outubro chuvoso torna o lavrador virtuoso.
– Outubro pega tudo.
– Outubro sisudo recolhe tudo.
– Por São Martinho, semeia favas e linho.
– Quando outubro for erveiro, guarda para março o palheiro.
– Se em outubro demorares a terra a lavrar, pouco hás-de enceleirar.

Provérbios Agrícolas – Novembro

– Cava fundo em novembro, para plantares em janeiro
– De Santos ao Natal, é bom chover e melhor nevar.
– Em dia de S. Martinho semeia os teus alhos e prova o teu vinho.
– Em novembro, prova o vinho e planta o cebolinho.
– No dia de São Martinho, vai à adega e prova o vinho.
– Novembro à porta, geada na horta.
– Pelos Santos, favas por todos os cantos.
– Quem em novembro cava, o tempo estraga.
– Se queres pasmar teu vizinho, lavra, sacha e esterca pelo São Martinho.

Provérbios Agrícolas – Dezembro

– Em dezembro, chuva; em agosto, uva.
– Em dia de São Tomé, favas à terra.
– Quem quer bom alhal tem de o semear pelo Natal.
– No Natal, tem o alho bico de pardal.
– Pelo Natal, sacha o faval.
– Quem vareja antes do Natal deixa azeite no olival.
– Pelo Natal se houver luar, senta-te ao lar; se houver escuro, semeia outeiros e tudo.
– Santa Bárbara por responso ou devoção afasta os raios para os montes que não dão palha nem pão.
– Pelo Natal, poda natural.

Provérbios Agrícolas Portugueses

Provérbios Agrícolas Portugueses – Culturas

– A boa horta disse que a sachassem e não regassem.
– Abóbora semeada na Lua Cheia, dá abóbora e meia.
– Lua nova muita rama e pouca abóbora.
– Lua cheia, abóboras como areia.
– De ruim cabaça não sai boa pevide.
– Aonde alhos há, vinho haverá.
– Quem quiser o alho cabeçudo sache-o pelo Entrudo.
– Como vires o faval, assim espera pelo alhal.
– Os piolhos vêm com as favas e vão com as uvas.
– Semeia a fava a passo de cabra.
– De pequenino se torce o pepino.
– O repolho e o cevão têm de ficar prontos no Verão.
– Os amores e o trigo vêm no tempo dos melões.

– Quem quer couves aos braçados, cava-as todos os sábados.
– Couve: esterca-me uma vez e sacha-me uma vez.
– Entre couve e couve, alface.
– Semeia a ervilha a passo de filha.
– Semeia nabiças no pó e, por elas, não tenhas dó.
– Semeia-me no pó e de mim não tenhas dó, diz o nabo.
– Tudo se quer no seu tempo, e os nabos, pelo advento.
– Vinha onde pegue, horta onde regue.
– Planta muitas vezes transportada, não cresce nem mingua.
– Poda tardio, semeia temporão; acertarás quatro anos e um não.
– Quando a Lua minguar, não deves começar.

– Quem semeia basto, gasta mais e colhe menos.
– Bom estrume e bom lavor, trás tudo num primor.
– Chão pisado não dá erva.
– Não há boa terra sem bom lavrador.
– Trovoada da terra para o mar, toma os bois e vai lavrar; do mar para a terra, ceva-os bem e vai para a taberna.
– Aduba as terras, verás como medras.
– Quem guarda bolota, guarda estrume.
– Quando não o dão os campos, não o dão os santos.
– O estrume cria a novidade.
– Na terra barrenta a areia é estrume.

 

– Mata a sede à terra que ela te matará a fome.
– O milho quer sol na folha e água na raiz.
– O primeiro milho é dos pardais.
– Uma boa nevada faz a terra bem estrumada.
– A má erva depressa nasce e tarde envelhece.
– A má erva mata a boa.
– A terra cria ervas boas e más.
– Lágrimas de sermão e chuva de trovoada caem na terra e não valem nada.
– Onde nasce a lagarta aí se farta.
– Se não arrancas a silveira, sofre a videira.
– No crescente por diante vides podes enxertar, e em todo o minguante faz muito por podar.

Partilhe este artigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Newsletter
Mais Recentes
Categorias

Ervas Aromáticas

LER