Conheça os sintomas de carências nutricionais das plantas da horta

Quando as plantas ficam desnutridas, elas vão mostrar sintomas de que não estão saudáveis. Aprenda a identifica-los.
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Para crescerem de uma forma saudável e se reproduzirem, as plantas precisam da combinação certa de nutrientes. Contudo, nem sempre o solo das nossa hortas tem o equilíbrio necessário dos nutrientes que as plantas precisam. Quando as plantas ficam desnutridas, elas vão mostrar sintomas de que não estão saudáveis. Por vezes, os sintomas de carências nutricionais das plantas são bem visíveis. Noutros casos, podem ser mais difíceis de notar.

Os nutrientes que alimentam as plantas podem ser divididos em duas categorias:
Os macronutrientes e os micronutrientes.
Os macronutrientes são os elementos que são necessários em quantidades relativamente grandes. Eles incluem azoto, potássio, enxofre, cálcio, magnésio e fósforo.
Micronutrientes são aqueles elementos que as plantas necessitam em pequenas quantidades como o ferro, o boro, manganês, zinco, cobre, cloro e o molibdênio entre outros.

As plantas obtêm de modo natural estes nutrientes através das raízes no solo.
Contudo, as raízes só conseguirão alimentar a planta de modo eficaz se existirem as condições certas no solo.
Existem três fatores importantes a ter em conta. A humidade do solo, o pH e a temperatura.
Os nutrientes até podem estar presentes no solo, mas se estes fatores não forem os adequados, não vão estar disponíveis para as plantas.

Nem sempre é fácil identificar as carências, mas existem alguns indícios que o podem ajudar. Tenha em mente que cada variedade vegetal é diferente e pode exibir sintomas diferentes.

Azoto

As plantas apresentam um aspeto amarelo-esverdeado e com crescimento lento. As folhas antigas tornam-se amarelo-esverdeadas ao longo das nervuras e morrem rapidamente. Adicione farinha de sangue.

Boro

Os pontos de crescimento da planta morrem. Os caules e as raízes escurecem no interior. As plantas ficam secas e quebradiças. O excesso de boro também pode causar problemas semelhantes. Adicione pó de algas marinhas antes da próxima cultura.
Culturas da horta mais afetadas: Uva, laranja e limão, milho, morango, verduras e leguminosas em geral.

Cálcio

Amarelecimento geral na planta. As folhas deixam de crescer e podem morrer. Os pontos de crescimento são afetados e o desenvolvimento das raízes é fraco. Melhore o solo com estrume de quinta.

Cobre

As folhas jovens tornam-se murchas e enroladas, tornando-se quebradiças. Inclinação de pecíolos e talos. Clorose (deficiência de clorofila, deixando as folhas pálidas ou amareladas. Reduz o transporte de água e solutos pela planta.
Culturas da horta mais afetadas: Laranja e limão, milho.

Ferro

As folhas jovens amarelecem, mas as nervuras mantem-se verdes. A ponta e o rebordo das folhas ficam ruços. Nos casos mais graves, os pontos de crescimento morrem. Esta carência verifica-se sobretudo nos solos alcalinos. Adicione quelatos de ferro.
Culturas da horta mais afetadas: Árvores frutíferas em geral

Fósforo

Algumas plantas não apresentam sintomas visíveis, mas, em geral, o crescimento é lento e as folhas da base podem ficar de cor violeta. As folhas mais antigas podem morrer rapidamente. Adicione farinha de ossos, cinza de madeira ou fosfatos naturais no caso de solos ácidos. O estrume das galinhas é também uma boa fonte de fósforo mas é muito concentrado e tem de ser transformado em composto ou diluído antes da aplicação.

Magnésio

O rebordo das folhas fica verde-pálido ou amarelado. As extremidades dos rebentos e as nervuras das folhas velhas mantem-se verdes. As folhas morrem rapidamente. Pulverize com uma solução de sulfato de magnésio.

Manganês

Sintomas variáveis. Geralmente, o crescimento abranda e as folhas amarelecem entre as nervuras. A morte dos tecidos causa pequenas manchas nas folhas. Utilize adubo líquido à base de algas marinhas ou de estrume de quinta.
Culturas da horta mais afetadas: Batata, milho, citrinos.

Molibdénio

Sintomas variáveis. Abrandamento do crescimento. As folhas ficam um tamanho mais reduzido. Apesar de manterem a cor verde, deforman-se e apresentam clorose e mosqueados de cor castanha. Pode também apresentar zonas necróticas na ponta das folhas, que se estendem aos bordos. Morte prematura das folhas.
Culturas da horta mais afetadas: Milho, tomate, feijão e outras leguminosas.

Níquel

Em leguminosas, a deficiência leva ao acúmulo de uréia, provocando necrose dos folíolos. No tomate, ocorre a clorose em folhas jovens evoluindo para uma posterior necrose.
Culturas da horta mais afetadas: Tomate, feijão e leguminosas.

Potássio

Sintomas variáveis. As plantas ficam azul-esverdeadas e o crescimento é lento. Os rebordos e as nervuras das folhas antigas ficam ruços. As folhas cobrem-se de manchas castanhas. Adicione potássio orgânico ou sulfato de potássio de origem natural. O estrume de galinha em composto, a cinza e as folhas de bananeira, melhoram igualmente os niveis potássio no solo.

Zinco

As folhas jovens apresentam zonas cloróticas que terminam necrosadas. As folhas ficam menores, mas não causa o desfolhamento.
Culturas da horta mais afetadas: Milho, citrinos, maçã, uva.

Veja exemplos com imagens reais de folhas de Tomateiro.

Partilhe este artigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Newsletter
Mais Recentes
Categorias