Logo Hortas Biológicas

Conheça melhor os Afídeos e os danos que provocam nas hortícolas

Conheça melhor os Afídeos e os danos que provocam
Conheça melhor os afídeos e os danos que provocam nas hortícolas.
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Os afídeos são vulgarmente conhecidos como pulgões ou piolhos e estão entre as pragas mais comuns e destrutivas que surgem na nossa horta. Conheça melhor os afídeos e os danos que provocam nas plantas.

Os pulgões, são pequenos insetos de corpo mole, pernas e antenas longas e com aparelhos bucais longos e delgados, que usam para perfurar os caules, as folhas e outras partes mais tenras das plantas. Depois de perfurarem, vão sugar incessantemente os fluidos ou a seiva que a planta liberta. 

Algumas espécies são difíceis de distinguir umas das outras. Já outras são facilmente identificadas pela cor. Podem ser verdes claros e escuros, amarelos, castanhos, brancos, vermelhos, rosas ou pretos, dependendo da espécie e das plantas de que se alimentam.  A maioria das espécies são monófagos (alimentam-se de apenas uma espécie de planta).

Geralmente os pulgões adultos não têm asas, mas na maioria das espécies podem surgir fêmeas aladas especialmente quando atingem uma densidade populacional elevada na planta hospedeira. Esta capacidade de produzir indivíduos com asas fornece-lhes uma possibilidade colonizarem outras plantas quando a qualidade da fonte de alimento se deteriora.

Ciclo de vida dos afídeos

Nascimento Afideo vivo
Fêmea a dar à luz um filhote – foto Shipher Wu, National Taiwan University

Um dos maiores problemas dos pulgões tem que ver com o fato de eles se reproduzirem muito rapidamente e terem muitas gerações por ano. Num clima ameno como o português, a maioria dos pulgões conseguem reproduzir-se assexuadamente durante a maior parte o ano, com as fêmeas adultas a dar à luz até 12 filhotes vivos por dia e sem acasalarem. Os pulgões jovens são chamados de ninfas e trocam de pele várias vezes antes de se tornarem adultos. Não passam pelo estágio de pupa.

Outras espécies reproduzem-se por acasalamento e produzem ovos no Outono ou Inverno, proporcionando um estágio mais resistente para sobreviver às intempéries e à ausência de culturas hospedeiras. Em alguns casos, os pulgões colocam esses ovos num hospedeiro alternativo, geralmente uma planta perene, para a sobrevivência no Inverno.

ciclo vida afideos

Em períodos em que o tempo está mais quente, muitas espécies de pulgões podem desenvolver-se da fase de ninfa recém-nascida até à fase de adulto em reprodução em apenas sete a oito dias. Como cada pulgão adulto pode gerar até 80 filhotes por semana, é fácil perceber porque as pragas podem ficar rapidamente fora de controle.

Danos que provocam nas plantas

Quando estão presentes em grande número, os afídeos podem provocar o amarelecimento das folhas e prejudicar os rebentos jovens. Também originam deformações e diminuem o ritmo de crescimento das plantas. Provocam a destruição das flores antes da eclosão e impedem o desenvolvimento dos frutos. Grandes aglomerados de pulgões podem mesmo originar o desperecimento da planta causado pela interrupção da circulação da seiva.

raiz atacada por pulgoes
Raiz atacada por pulgões

Como medida de proteção contra o mau tempo e contra inimigos, os pulgões causam o enrolamento das folhas deixando-as crispadas. Segregam uma melada pegajosa nas folhas que geralmente fica preta devido ao crescimento de um fungo chamado fumagina. Isto impede que as folham recebam toda a luz solar que necessitam. A melada é muito apreciada pelas formigas. Como forma de agradecimento, as formigas protegem agressivamente os pulgões dos ataques das joaninhas e de outros inimigos naturais.

Algumas espécies de pulgões podem transmitir vírus e propaga-los de planta para planta. Abóbora, pepino, melão, cenoura, feijão, batata, alface, beterraba e acelga são exemplos de culturas que costumam ter vírus transmitidos por pulgões associados a elas.

Os danos causados pelos pulgões não estão limitados às folhas e aos rebentos. Alguns atacam severamente outras partes das plantas.  Por exemplo, o pulgão da alface ataca as raízes da planta na Primavera e no Verão, fazendo com que as plantas murchem e ocasionalmente morram. Apresentam-se em cores verde-claro, verde-vivo ou laranja. As raízes também podem ser infestadas por pulgões brancos e cerosos. Quando o ataque é muito intenso pode levar à morte da planta. O mesmo acontece com os pulgões que atacam o feijão verde. Sugam a seiva da raiz e prejudicam o crescimento da planta. Quando o ataque ocorre no início do desenvolvimento da cultura, podem causar a morte da planta.

De modo geral, são poucas as plantas ou culturas que os afídeos não atacam. Existem cerca de 5.000 espécies de pulgões conhecidas e, dessas, cerca de 450 espécies atacam as plantas. Certamente que em algum momento já viu as suas plantas ornamentais, vegetais, árvores ou arbustos frutíferos, atacados pelos pulgões. Quando isso acontece, é frequente perguntarmos: Como é que posso livrar-me desta praga?

Agora que conhece melhor os afídeos e os danos que provocam nas plantas, veja aqui como combate-los de modo biológico.

Partilhe este artigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Newsletter
Mais Recentes
Categorias

Ervas Aromáticas

LER